Pernambuco é o estado mais premiado no festival nacional Videos for Change, relacionado a causas sociais, com onze vídeos entre os 13 vencedores

Estudantes do ensino fundamental e médio de diversos estados do país produziram vídeos e os melhores a nível nacional foram eleitos em votação popular promovida pela ONG Viven

O estado de Pernambuco foi o mais premiado entre os vencedores do Desafio Videos For Change, que teve como objetivo estimular a produção de vídeos por parte de jovens do ensino fundamental e médio sobre temas que mais preocupam os jovens e sobre causas sociais de impacto para suas vidas, com sugestões de melhorias nos mais diversos âmbitos. O festival trouxe temas como racismo, saúde mental e sexualilidade, bullying, igualdade de gênero e assédio/violência sexual.

Nessa terça-feira (19), foram anunciados, em live no Youtube, os 13 vídeos vencedores eleitos após votação popular que aconteceu até o dia 10 de setembro pelo site: brasil.videosforchange.org. Ao todo, 81 vídeos de 16 cidades de quatro estados (São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais e Rio Grande do Sul) concorreram na etapa nacional. 

Ao todo, 11 vídeos feitos por estudantes de escolas pernambucanas ganharam o prêmio. As escolas estão nas cidades de Olinda, Recife, Solidão, Tabira, Paulista, Cabrobó e Belém do São Francisco. Os vídeos e as escolas premiadas são as seguintes:

– ESCOLA MUNICIPAL MONTE CASTELO / Olinda – Vídeo “Lugar de Mulher é onde ela quiser!”

– ESCOLA MUNICIPAL MANOEL MARQUES DE OLIVEIRA /Solidão-PE – Vídeo “Não Me Toque!”

– ESCOLA MUNICIPAL ANDREA PIRES / Tabira-PE – Vídeo “Vista-se de Amor Próprio”

– EDUCANDARIO MUNICIPAL CONEGO COSTA CARVALHO / Paulista-PE – Vídeo “Felicidade Sem Drogas”

– ESCOLA MUNICIPAL DA MANGABEIRA / Recife-PE – Vídeo – “Diga Não ao Racismo”

– ESCOLA MUNICIPAL MONTE CASTELO / Olinda-PE – Vídeo – “Lugar de Mulher é onde ela quiser!”

– ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE COSTA E SILVA / Cobrobó-PE – Vídeo “Pobreza: Má distribuição e Renda”

– ESCOLA TECNICA ESTADUAL MARIA EMILIA CANTARELLI / Belém do São Francisco-PE – Vídeo “Quem depende da água somos nós!”

– ESCOLA MUNICIPAL GOVERNADOR CARLOS WILSON CAMPOS / Paulista-PE – Melhor Vídeo e Narrativa “Eu e Eu Mesmo Aqui Dentro”

–  ESCOLA MUNICIPAL ANDRE FLORENTINO CAVALCANTI / Cobrobó-PE – Vídeo “Reciclagem”

A escolha dos melhores vídeos contou também com a votação dos jurados, entre eles: Luciana Temer, do Instituto Liberta, Eunice Baía, ativista indígena e atriz conhecida por interpretar Tainá no filme “Tainá: Uma Aventura na Amazônia”, Sônia Guimarães, a primeira mulher negra no Brasil a ser PhD em Física, além de Igor Lima, um dos criadores do Instituto Sonho Grande, e Sharylaine, rapper e produtora cultural.

“Estamos muito felizes por engajar o Brasil no projeto Videos for Change. Essa é uma oportunidade para nossos jovens e adolescentes serem ouvidos e explicitarem suas preocupações e posicionamentos não apenas ao País, mas para o mundo”, explica Lina Wurzmann, presidente e fundadora da Viven. “Esse é um trabalho de profundidade: ajudamos os jovens a perceber as causas que os preocupam, a entender o cenário de forma clara e a amplificar suas vozes, seu protagonismo e sua capacidade de mobilização”, complementa.

Sobre o Festival Nacional do Desafio Videos For Change

Foram mais de 500 vídeos foram inscritos nos festivais regionais de 2022 e 81 foram premiados por um corpo de jurados multidisciplinar em categorias como originalidade, criatividade, melhor uso de recursos técnicos e narrativa, além dos que foram eleitos por meio de votação popular.

O trabalho da Viven teve origem na High Resolves, organização pioneira que, desde 2005, tem como missão viabilizar a educação cidadã por meio de metodologias inovadoras na Austrália e em outros países do mundo. O trabalho utiliza conceitos da neurociência, Teoria dos Jogos e Economia Comportamental, com resultados comprovados na prática.

“A proposta da Viven é promover a educação cidadã, por meio de vivências, pois sabemos que é preciso sentir para transformar. Para isso, usamos atividades como os vídeos, jogos, rodas de conversa e outras experiências para que os estudantes ampliem o seu olhar sobre a sociedade e se tornem cidadãos mais críticos e comprometidos com a transformação social”, diz Anna Colacino, diretora executiva da organização.

No Brasil, a ONG já implementou sua metodologia em 318 escolas de 111 cidades, contando com mais de 170 mil participações de estudantes nas vivências desenvolvidas. Os professores são fundamentais para a proposta e são preparados pela Viven para atuar na implementação do método. “São os professores que têm o vínculo com os estudantes. Por isso, os formamos. Isso gera mais conexão e transformação no longo prazo. Além disso, esperamos que os estudantes tenham melhor desempenho acadêmico, senso de pertencimento, consciência social e predisposição para atuar em prol da coletividade, pautados por justiça social”, diz Colacino.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post

Quando uma foto íntima vai a público, recomeçar pode ser a única saída

Next Post

Contar com ajuda de um advogado pode ser essencial para sair um relacionamento tóxico

Related Posts